Highland Fire



Escrito por Abigail Clements. Em inglês. A capa é muito, muito linda. Frente e verso formam a imagem, eu gosto disso. A moça está vestida com um longo amarelo dourado, usando uma manta por cima. Em momento algum do livro ela usa algo assim, infelizmente. A casa não é exatamente como eu imaginei após ler a descrição, mas, em suma, a capa é linda.
Sobre a história: Começa da melhor forma possível. Moça está viajando para a Escócia para assumir um emprego lá como uma espécie de secretária e governanta de uma casa nas Highlands. Ela ficará apenas com o patrão, um belo e charmoso homem. Enquanto ela está no voo descobrimos que ela é viúva, que o marido morreu na guerra do Vietnan, que ela perdeu a filha durante o parto e que ela perdeu a vontade de viver. Por isso ela está saindo dos EUA e indo para longe da família: para tentar recomeçar a vida longe das lembranças.
O problema para ela é que, no dia que ela chega (depois de uma viagem de avião, de trem, de ônibus e uma carona de carro dada por um empregado de seu novo patrão que a deixa a quilômetros da casa para ir até lá sozinha, arrastando a maleta de viagem sei lá porque) ela se encontra sozinha na casa (após a acolhida simpática da vizinha, que lhe entrega as chaves da casa) que não tem telefone nem luz e nem o patrão está presente, pois viajou para pescar (quando deveria estar ali para recebê-la). Ela vai em busca do telefone que fica a uns dez quilômetros da casa, de noite, em meio a uma tempestade e uma moça aparece, lhe entrega uma criança de dois anos e desaparece, dizendo que vai voltar. Ela espera por duas horas e decide voltar para sua nova casa com a menina. Resultado: a moça, mãe da criança, foi morta. Ela consegue convencer a policia e o patrão a deixar a menina com eles, pois ela a cuidaria. oquei... os dias se passam com ela cuidando da casa e da criança, visitando os vizinhos e descobrindo que há algo de errado naquele lugar, com seu patrão e o empregado que a deixou no meio do nada e um pessoal que mora numa espécie de comunidade hippie. Que a mãe da criança talvez tenha sido assassinada, que ela está em perigo e por aí vai. Tem outro homem charmoso que aparece pelo meio do livro e que lembra muito o marido dela.
Você acompanha o relacionamento dela com o patrão e pensa que está seguindo o caminho que um livro deste estilo seguiria, mas então o cara passar a ser cada vez mais cretino. Logo que ela chega perceber que ele tem bruscas mudanças de humor, vai do sorridente e alegre ao agressivo num piscar de olhos. A gota d`água é quando ele dá uma bofetada nela na frente de testemunha. Ela chega a cair no chão com a pancada... e ela continua na casa dele!!!!!!!!!!! Ela perdoa ele!!!!!!!!!!!!!! Ela sorri carinhosa quando ele volta para casa e pede desculpas!!!!!!!!!!!!! ELA É UMA IMBECIL!!!!!!!!!!!!!!!!!
A partir daí o livro desanda. Dá uma repugnância ler aquela mulher arrumando desculpas para o cara todas as vezes que ele grita com ela, xinga ela, ameaça ela e assim por diante. Você pensa... o outro cara, o legal, não merece esta idiota. Sério, eu já estava saturada da imbecilidade dela, mas depois dela apanhar e ficar, só li por amor a camiseta :-P

2 comentários:

Iuri Fiedoruk disse...

discrição = ser discreto de forma a não aparecer.
descrição = conjunto de características de um objeto ou lugar

Mais atenção no "protuguês" ;)

Capa realmente bonita.

Aris disse...

Obrigada por me corrigir em um blog :-)

 
Mistério das Letras Blog Design by Ipietoon