Doctor Who

Depois de muito enrolar para ter tempo de criar coragem, finalmente vou "tentar" fazer um post comentando uma de minhas séries favoritas: Doctor Who. É algo tão assustadoramente complexo que parece uma missão quase impossível; mesmo assim, vamos a Doctor Who e seu universo cheio de maravilhas :-)



SOBRE O QUE SE TRATA:

Doctor Who é um seriado britânico, o que, na minha opinião, já é meio caminho andado em direção a perfeição. Nele acompanhamos as aventuras vividas por um Senhor do Tempo conhecido por The Doctor, que vem de um planeta chamado Gallifrey e que explora universo e tempo em sua máquina do tempo/nave chamada TARDIS, cuja aparência exterior se assemelha a uma cabine de polícia londrina dos anos sessenta, mas que por dentro é imensa e parece uma nave espacial bem ao estilo dos anos 60 (e isso geralmente rende o comentário: É maior por dentro!).
Doctor Who foi exibido de 1963 até 1989 (num total de 26 temporadas) e depois disso suspensa até 1996. Em 2005 foi relançada e teve um sucesso imenso, até o momento atual.
Inicialmente o programa tinha como principal interesse ensinar história e ciência aos telespectadores, mas aos poucos a ficção científica tomou o lugar do interesse didático, mudando os rumos da série.
O Doutor era apenas um extraterrestre excêntrico com vasto conhecimento sobre as mais variadas matérias, que gostava de viajar e não suportava injustiças. Aos poucos descobrimos que na verdade o Doutor é um Senhor do Tempo renegado e que é o ultimo de sua espécie.
O Doutor tem a capacidade de regenerar seu corpo, assim evitando a morte (na verdade essa história surgiu quando o ator original decidiu se retirar da série). Desde então sempre que é necessário substituir o ator principal é usada a explicação da regeneração, contudo foi estabelecido num episódio que um Senhor do Tempo poderia se regenerar apenas 12 vezes, num total de 13 encarnações. Até o atual momento o Doutor passou por este processo 10 vezes, sendo que em cada uma de sua regenerações muda, além da aparência, estilo e particularidades, apesar de manter as memórias.
Outra marca característica de Doctor Who são seus "companios". Ele sempre viaja com pelo menos um acompanhante, às vezes chegando a três e geralmente um deles sendo do sexo feminino.

COMENTÁRIOS:

Eu sabia da existência da série atual, mas não conseguia me decidir a assistir. Eu tinha a impressão de que era algo muito sem pé nem cabeça e tolo, mas, meu marido criou coragem e baixou a quinta temporada, que era a primeira temporada do atual Doctor (o décimo primeiro). Foi amor a primeira vista. Eu ri, eu gritei, eu amei cada segundo (e meu marido também)!!!!
O que aconteceu foi que devoramos a quinta e sexta temporada e os primeiros episódios da sétima. Daí decidimos assistir a primeira temporada do relançamento. Infelizmente, depois do incrível Doctor de Matt Smith e dos roteiros fantásticos, não gostamos dos dois primeiros episódios e pulamos para a terceira temporada, que já tinha o décimo Doctor e não tinha a Companion Rose, que detestamos. David Tennant foi perfeito, mas as histórias da terceira temporada não nos encantaram. Insistimos e então veio a quarta temporada... pois bem, a quarta temporada é perfeita! Absolutamente perfeita. David Tennnat nos encantou de tal forma que, quando ele terminou os especiais e regenerou, eu chorei. Sério. Chorei feito uma menininha.
Depois disso assistimos novamente o primeiro episódio da quinta temporada, em que Matt Smith aparecia no lugar de David Tennant e foi algo como choro e riso. Foi difícil. Eu sentia imensamente a falta de David Tennant e ao mesmo tempo fiquei imensamente feliz por rever Matt Smith. A partir daí eu só confirmei o que já suspeitava: Eu estava perdida! Doctor Who me conquistou de tal maneira que não consigo me imaginar sem a série. Vamos insistir assistindo toda a primeira temporada do relançamento e depois a segunda temporada já com o Tennant. Vale a pena suportar Rose (e quem sabe ela não é tão chata assim) até que Doctor Who volte ano que vem. Ahhh, não esqueçamos o especial de Natal, que passa todos os anos e neste ano irá introduzir a nova companion do Doctor.

MINHA OPINIÃO SOBRE OS DOUTORES DO RELANÇAMENTO:

Nono Doctor = Christopher Eccleston

Vimos apenas dois episódios com ele, mas sei que ele participa apenas da primeira temporada. Pelo pouco que vi gostei, mas nada de especial. O ator saiu da série porque não queria sua imagem vinculada ao tipo de cultura que vinha com o personagem (tolinho).



Doctor 9 e Companion Rose

Décimo Doctor = David Tennant


Vimos duas temporadas e vários especiais com ele e eu gostei de cara. A medida que os episódios passavam eu gostava mais e mais dele. Tennant fez um Doctor ensandecido, com uma linha de pensamento divertida e inconstante, que lembrava a descrição mais perfeita de um aquariano completo e uma fúria que precisava ser controlada antes que ele destruísse tudo a sua volta.

Doctor 10 e Companion Rose

Doctor 10 e Companion Martha

Doctor 10 e Companion Donna

Décimo Primeiro Doctor = Matt Smith

Ele é perfeito. Às vezes parece uma criança, às vezes parece mesmo o ser de mais de 900 anos que ele é. Mais justo que os anteriores, mais controlado e consciente, dá importância de todas as formas de vida.

Doctor 11 e Companions Rory e Amy Pond (Meus favoritos).


MAIS EXPLICAÇÕES SOBRE A SÉRIE:


Primeira temporada


Reestreando em 26 de março de 2006 o novo Doutor (o 9º, interpretado por Christopher Eccleston), faz sua primeira aparição após uma guerra temporal entre Daleks e Time Lords. Ele encontra sua nova companheira, Rose Tyler, uma vendedora de loja que é salva por ele e que após o ajudar na primeira aventura, deixa a mãe viúva e o namorado para viajar com o Doutor. Os dois viajam pelo tempo e espaço durante a temporada toda, com um Doutor muito sentido por ser o último de sua raça e o arco todo dela girava sobre o “Bad Wolf”, criatura que Rose se torna no último capítulo da temporada com a energia do núcleo da TARDIS, uma espécie de semi-deusa capaz de manipular a realidade ao seu bel prazer.Os últimos capítulos da temporada, onde é desvendado o Bad Wolf, termina com o Doutor salvando a Rose e se ferindo, sendo obrigado a regenerar no 10º Doutor. Esta temporada introduz um de meus personagens favoritos, o Capitão Jack Harkness

Segunda temporada


O novo Doutor (David Tennant) continua seu envolvimento com Rose Tyler, partindo em várias aventuras onde os dois se envolvem de uma maneira romântica, rara na série. O arco principal da temporada é o aparecimento da nova série Spinoff do Doutor, Torchwood (com o Capitão Jack Harkness). O Doutor enfrenta de uma vez os seus piores inimigos, mas perde sua companheira em uma das cenas mais tocantes da série. O Doutor termina a temporada chorando pela Rose até que aparece uma noiva no meio TARDIS, no espaço, eles discutem e vem o primeiro capítulo da 3ª temporada.

Terceira temporada


O Arco da terceira temporada toda leva até o grande evento que apenas se revela totalmente nos últimos quatro capítulos sequenciais, quando o Doctor reencontra outro sobrevivente de Gallifrey, o Mestre. A nova companheira do Doctor é Martha Jones, médica que ele salva junto com todo um hospital que é transportado para a Lua. Nesta temporada somos apresentados aos inimigos mais fantásticos do Doctor: os Weeping Angels, no episódio Blink.

Quarta temporada


Nesta temporada o Doctor reencontra a noiva que surgiu em sua TARDIS, Donna Noble, que passa a ser sua nova companion. Também é nesta temporada que o Doutor conhece uma personagem muito importante e misteriosa, a Drª River Song, que conhece o Doutor em seu futuro e espantosamente tem uma chave de fenda sônica parecida com a dele e sabe o verdadeiro nome, em linguagem de Gallifrey, do Doutor, o que deixa todos em dúvida de por que ela teria toda essa intimidade com o Doutor (eu amo a River Song).
Nos episódios especiais de final de temporada o Doutor enfrenta novamente uma invasão Dalek na Terra e é ajudado por nada menos que todo o elenco de companheiros da série até ali: Rose, Martha, Sarah Jane, Capitão Jack, o pessoal de Torchwood, de Sarah Jane Adventures e muito mais, todos ajudando o Doutor a vencer os Daleks. A partir daí começa a sequência de capítulos que levam a regeneração do 10º para o 11º Doutor, e a saída do produtor para entrada do novo. 

End of Time: Parte 1 – O capítulo de natal, o penúltimo do 10º Doutor e sobre a batuta de Russell T. Davies, o Mestre retorna com um plano novo, transformar a raça humana inteira em seus clones.

End of Time: Parte 2 – Galifrey retorna com Rassilon em seu comando, usando o Mestre para isso e o Doutor termina salvando a humanidade e vencendo não só o mestre como Rassilon e para isso fica a beira da morte.

Sendo obrigado a regenerar em uma das cenas mais emocionantes entre todas as séries de TV que já assisti, ele se despede de todos os companheiros em seus últimos momentos e volta a TARDIS para a regeneração propriamente dita, com a música Vale Decem de fundo (de Murray Gold, que compõe todas a trilhas da série desde de 2005 até hoje), nessa cena tocante nos despedimos de David Tennant e o 10º Doutor e damos as boas vindas ao 11º Doutor (Matt Smith, o atual).

Quinta temporada


É a primeira temporada com Steven Moffat como produtor e escritor principal, a primeira também com o 11º Doutor (Matt Smith) e sua companheira nova, Amy Pond (Karen Gillan). Futuramente farei um post falando apenas sobre o décimo primeiro doctor, porque tem muito, muiiiito material legal sobre ele :-)

Atualmente Doctor Who está em pausa na sua sétima temporada.























David Tennant
















Matt Smith

Capitão Jack Harkness, O CARA :-D


A divertida River Song.




O Despertar de Menfreya

Victoria Holt


SINOPSE:

Naquele castelo da Cornualha, amor e morte andam de mãos dadas.
Diz a tradição que, quando o relógio da torre do Castelo de Menfreya para, isso significa mau agouro.
Mas, para Harriet, não passa de mais uma das muitas crendices que cercam a propriedade de Bevil, seu marido.
No entanto, quando Jessica, a nova governanta, muda-se para Menfreya, a segurança de Harriet é abalada: haveria algo entre aquela bela mulher e seu marido?
As suspeitas adquirem proporções maiores quando Harriet recebe um misterioso aviso de morte, seguido da notícia de que o relógio da torre parou... (retirado do blog Romances Históricos).



COMENTÁRIOS:

Acredito que este foi o primeiro livro escrito por Victoria Holt que eu li, muitos anos atrás. A capa me chamou a atenção em primeiro lugar e depois a sinopse do livro. Não me arrependi nem um pouco, pois simplesmente amei a leitura. A mistura de romance com suspense/mistério me encanta e Victoria Holt é muito boa fazendo isso, pelo menos na maior parte de seus livros.
A história tem como protagonista Harriet e nós a conhecemos através de seus pensamentos quando está com 13 anos. A menina é rejeitada por um pai frio e distante, que vive para o mundo da política. Seu único consolo é a amizade que mantém com a filha mais jovem da família Menfrey (e que regula de idade com ela), Gwennan.
Harriet é simplesmente obcecada pela família e pela casa desta, Menfreya, além de ser profundamente apaixonada por Bevil, irmão mais velho de Gwennan e que a trata como se fossem irmãos.
A parte inicial do livro é rápida, contando o passado de Harriet desde a tenra infância, mostrando a que pé anda aos 13 anos e dando uma pincelada no que acontece nos anos que antecedem sua vida adulta. 
Detalhes que fizeram eu gostar ainda mais da menina: o fato dela ser corajosa, decidida, ter um fantástico senso de humor e uma língua rápida. Além disso Harriet é manca por conta de um problema na hora do parto.
Eu sei que é um clichê, mas o livro tem uma sequencia que me encanta: quando as meninas decidem ir escondidas a um baile a fantasia oferecido pelo pai de Harriet. Ela encontram roupas guardadas em baús em Menfrey (que é um castelo cheio de surpresas e lendas)e usam eles juntamente com máscaras. Eu dei pulinhos de alegria nesta parte :-D
Bem, a certo ponto do livro Bevil começa a mostrar interesse por Harriet (a esta altura muita água já passou debaixo desta ponte) e nós nos vemos no mesmo dilema que ela: ele a ama ou está apenas interessado no dinheiro que ela havia herdado? Para complicar tudo uma antiga namorada de Bevil se torna a governanta do filho de Gwennan e o famoso relógio da torre de Menfreya para... sendo que ele só para quando alguém da família morrerá em alguns dias. Detalhe: Harriet está grávida de um bebê Menfrey, então... a coitada fica numa posição terrível.
É realmente um livro fantástico, e parece sempre pesado de suspense. Não sei como Victoria Holt conseguiu isso, já que só após o casamento de Harriet é que os acontecimentos misteriosos tem lugar. Acho que é porque desde o inicio Harriet narra a história de forma empolgante, que me fez querer saber cada vez mais o que havia acontecido com todos aqueles personagens carismáticos.

AQUI!!!!
Capa do meu exemplar. Eu amo esta capa, mesmo ela não tendo nada a ver com a história :-)


Esta capa sim, tem tudo a ver com a história, além de ser muito bonita.

Gosto muito desta artista. Ela fez lindas capas para Victoria Holt.

Bom exemplo de uma capa sem graça.

O charme desta capa é ela ser a mais antiga que encontrei. Tenho uma queda por capas antigas ;-)

Selo de Natal

Para todos que seguem o Mistério das Letras e compartilham comigo o amor pela leitura:-)
Feliz Natal e Ano Novo!!!


Série Dark Gothic

Volume Um da Série Dark Gothic.

Desejos Obscuros - Dark Desires.

Eve Silver.

SINOPSE:

Londres, 1820
Cuidado... Ele tem segredos sombrios... e pode ser multo perigoso...
A advertência ecoava na mente de Darcie quando ela chegou à residência do Dr. Damien Cole. Desesperada, havia procurado emprego numa casa noturna de Londres, mas para sua sorte... ou não... a dona do bordel a recomendara para trabalhar como governanta de um conhecido médico local, que lhe devia favores.
Coisas misteriosas acontecem na casa do atraente doutor. Criadas desaparecem, visitantes estranhos chegam no meio da noite, e é expressamente proibido o acesso ao laboratório anexo ao casarão... até o dia em que Damien descobre as habilidades de Darcie para desenho e a convida para trabalhar como sua assistente. As longas horas compartilhadas sob o mesmo teto despertam entre ambos uma inesperada e irresistível paixão. No entanto, quanto mais Darcie se envolve com Damien e seus segredos, mais difícil se torna saber se ele é um dedicado doutor ou um homem implacável.


COMENTÁRIOS:


Desejos Obscuros é o primeiro volume de uma coleção de três com temática gótica. Neste primeiro volume temos uns toques de Frankesntein e muito, muito mesmo de O Segredo de Mary Reilly. Poderia ter sido um livro bom de ler, mas a cópia descarada de Mary Reilly e a mocinha  insuportável tornaram isso impossível. A protagonista oscila entre um comportamento excessivamente moderno para a época da história e uma imbecilidade irritante.
A história começa com Darcie Finch (a idiota bipolar) procurando refúgio com sua irmã em um bordel em Londres. Ela é tão lesa que é a ultima pessoa a perceber que está em um bordel e que sua irmã é uma prostituta (simmmmm, há diferença entre ingenuidade e burrice crônica). A irmã de Darcie acredita que a jovem não foi feita para uma vida de prostituição, então, o que ela faz? Consegue que Darcie trabalhe para o Doutor Jekyll...ops, quero dizer, para o Doutor Damien Cole.
O Doutor Cole tem fama de ser uma espécie de cientista louco e a policia de Londres tem os olhos sobre ele, então...que irmã preocupada a irmã da protagonista, certo? Mandar a coitada para ser empregada de alguém que pode ser um assassino... sem dúvida isto seria melhor do que ficar num bordel.
A moça vai então para a casa do cientista louco, na carruagem com ele e um defunto. Sim, é isso mesmo, um defunto. Ela conhece seu patrão e o dito está levando para casa o corpo de um homem e durante todo o percurso em uma carruagem com um corpo, Darcie só consegue pensar na beleza do médico.
Já no dia seguinte Darcie começa a proteger o novo patrão dos maldosos comentários de uma das empregadas... mesmo tendo conhecido ele a poucas horas e do DEFUNTO!!!! Por que? Porque Damien tem lindos olhos!!!!
Passagem incrível (num sentido muito depreciativo): Darcie espia um dos livros de anatomia de Damian e chega a conclusão de que as proporções estão erradas, sendo assim, ela faz um desenho correto no livro. Eu gostaria de saber como ela fez isso, já que para fazer um desenho de anatomia você precisa ter estudado anatomia ou ter tido acesso a corpos... e ela era uma pobre coitada que aprendeu a desenhar sozinha e que (claro) tinha muito talento.
Ao longo de dias com descrições das tarefas diárias dela de limpeza, seus pensamentos voltam ao corpo morto na carruagem e as andanças do patrão durante a madrugada, entrando e saindo de seu laboratório, que ninguém da casa tem acesso (exatamente como em Mary R.), mas claro, ela deixa tudo de lado porque Damian tem olhos lindos. Darcie sabe que o doutor é uma boa pessoa e que precisa de ajuda e então ela decide salvá-lo (do que, ninguém sabe, nem ela).
Resumindo a história podemos dizer o seguinte: moça com sérios problemas de intelecto vai trabalhar como empregada na casa de médico-cientista louco, de quem a policia suspeita porque prostitutas tem sido assassinadas (e ele é o suspeito mais obvio). Moça é uma desenhista fantástica com conhecimentos ilimitados de anatomia e se torna assistente do médico-cientista louco, enquanto suspeita de que ele esteja matando prostitutas, mas chegando a conclusão de que isso não importa porque ele tem olhos lindos. 
Sinceramente, depois de chegar ao fim da história entendi porque a irmã de Darcie a mandou trabalhar com Damian...ela tinha esperanças de que o médico matasse a protagonista e a livrasse desse peso.

AQUI!!!!    Para quem tiver coragem ou curiosidade de ler.

Minha sugestão é de assistir ao filme O Mistério de Mary Reilly e depois comparar com o livro.



Volume Dois da Série Dark Gothic.

O Mistério de Manorbrier - His Dark Kiss

Eve Silver.

SINOPSE:



Inglaterra, Século XIX.

Localizado no topo de uma colina, o Castelo Manorbrier está envolto em escuridão e rumores: Jamais algum serviçal sobreviveu tempo suficiente... Há morte naquele lugar... Além disso, há o sombrio lorde da mansão... um homem fascinante, mas perigoso...


COMENTÁRIOS:


Segundo livro da série Dark Gothic e sensivelmente melhor que o primeiro.
O Mistério de Manorbrier se esforça tanto para se encaixar no estilo gótico que virou uma lista de clichês facilmente identificáveis. A heroína inocente, Emma Parrish, é uma órfã de passado infeliz (claro) que quase foi vendida em casamento por suas tias. Escapando deste trágico destino ela vai trabalhar para o misterioso e atormentado Anthony Craven, viúvo de sua prima, no castelo Manorbrier, onde cuidará do filho do Lord.
Vejamos...órfã de passado triste, criada por parentes que a odeiam, vai ser governanta do filho de um viúvo belo e atormentado. OK, confere.
Ao chegar no castelo Emma fica chocada em como o lugar é sombrio, assustador, bla,bla,bla e jamais torna a tocar no assunto. Imagino que com os dias a presença dela tornou o lugar belo, iluminado, cheio de alegria. Anthony é lindo, charmoso, misterioso, atraente e... talvez tenha matado sua prima, mas isto é apenas um detalhe, já que ela esquece até de seu nome quando ele a beija, além disso, a falecida esposa era uma bruxa do mal que merecia tudo o que lhe aconteceu porque não era pura, não vivia para o filho, não lambia o chão por onde Anthony passava, etc, etc...
A história é essa: Emma zanzando pelo castelo, a história das antigas preceptoras que desapareceram mas que aparentemente morreram, um nobre médico ( de novo) com corpos entrando e saindo de um laboratório (de novo). A mocinha parece estar sempre prestes a pular em cima de Anthony, mas sempre alegando que seus sentimentos em relação a ele são puramente nobres. Além disso, a mulher se torna obcecada pelo protagonista nas primeiras linhas do livro. Mesmo com a suspeita de que ele seja um assassino, em questão de segundos ela está profundamente apaixonada e mesmo após a confissão dele de sua culpa na morte da esposa, Emma insiste em entrar em negação defendendo-o. Sinceramente, Emma é uma mocinha que mete medo e, se eu fosse Anthony, fugiria dela desesperadamente.




Volume Três da Série Dark Gothic.

O Príncipe Negro - Dark Prince

Eve Silver.

SINOPSE:


Cornwall, 1812

Perigosa paixão...
O destino levou Jane Heatherington a conseguir um emprego na residência de Aidan Warrick. Ela conhece os rumores que correm a respeito de seu patrão: um homem misterioso e escuso, que pode parecer um anjo caído do céu, mas que, ao que tudo indica, tem um pacto com o demônio...
Afastada da família e dos amigos, a única companhia de Jane é um homem em quem ela não pode confiar... Um homem que guarda segredos, que desaparece misteriosamente na noite e que olha para ela com uma paixão que ela ao mesmo tempo teme e deseja... E a medida que o perigo ronda a região, e algo terrível está prestes a acontecer, Jane se pergunta se está apaixonada pelo príncipe dos seus sonhos... ou por um homem insano e sem coração...



COMENTÁRIOS:

O Príncipe Negro é uma releitura de A Bela e a Fera que se passa na Cornualha. A protagonista, Jane Heatherington, tem de ser criada de Aidan Warrick por sete anos para pagar os débitos de seu pai, senão o mesmo acabaria na prisão.
O problema é que Jane não é uma pessoa normal! Ela conseguiu leval o auto sacrifício a um patamar assustador. Logo no inicio do livro ela se depara com o corpo de uma mulher, provavelmente morta em um naufrágio. Ao invés de passar mal, ficar nervosa, ter nauseas, ela simplesmente chega a conclusão de que pelo menos aquela mulher "viveu", ao contrário dela mesma, que nunca fez nada na vida. Jane é uma mártir! Das psicóticas!
Quando Jane percebe que vai ter que ser uma espécie de escrava para saldar as dívidas do pai ela vai até o céu e volta. Depois, quando chega a conclusão de que Aidan precisa ser salvo de seu passado, ela quase explode de satisfação.
Jane chega a ser hilária no seu desejo de bancar a heroína mártir salvadora. Ela decide se sacrificar de todas as formas possíveis para salvar Aidan, mas sempre podemos perceber que tudo se trata dela; é Jane quem importa. Quanto a Aidan, ele é um esteriótipo ambulante. O homem perfeito e sofrido que se apaixona pela filha de seu pior inimigo. Mas claro que este amor não chega ao ponto de fazer ele desistir de sua vingança. Pelo menos neste livro a mocinha, apesar de apaixonada, não confia cegamente no mocinho e graças a Deus ele não está envolvido em experimentos científicos, com corpos entrando a todo instante em seu castelo/mansão.
No fim, a parte mais fraca da história é exatamente o mistério que ela apresenta. É tudo muito irregular, mas no fim o livro acaba funcionando.



Harlequin Mangá

Pesquisando alguns mangás novos para espiar eis que descubro que a Harlequin fez uma parceria com a editora japonesa Ohzora e lançaram vários mangás baseados em romances de bancas com o selo Harlequin. Eu consegui alguns e li menos da metade, até o momento. Posso dizer que varia muito, pois cada roteiro adaptado para mangá recebe uma artista diferente e a adaptação nem sempre fica boa. Dá para imaginar que as histórias são bem resumidas para caber no número de páginas ilustradas, mas mesmo assim encontrei algumas pérolas. Infelizmente ainda não consegui encontrar as adaptações dos livros de Bárbara Cartland, mas é só questão de tempo. Sou uma viciada completa por livros e amo de paixão animes, então, esta união fez eu sair pela casa dando gritinhos e pulinhos de alegria ;-)
Vou postar para vocês scans de alguns dos mangás que encontrei. Espero que vocês gostem desta novidade 

Dark Heritage

Emma Darcy

SINOPSE:

Rebel havia tido a boa sorte de ser adotada pela família James. O clan australiano apoiou por completo sua busca pelo passado da mãe, mesmo que ela precisasse ir a Inglaterra por consequência de suas investigações. Quando Rebel chegou a Davenport Hall, onde sua mãe havia ficado quando tinha cinco anos e era uma órfã de guerra, ficou surpresa ao constatar que o Conde parecia estar a sua espera. Hugh Davenport não era como Rebel havia imaginado; ele era muito bonito e sexy. Um engano leva a mocinha a permanecer naquela casa na esperança de ajudar Hugh e sua sobrinha órfã.



The Italian Playboy`s Secret Son

Rebecca Winters

SINOPSE:

Cesar de Falcone era uma estrela da Fórmula Um que encantava o público, em especial as mulheres. Sarah, ex amante de Cesar, fica sabendo que ele sofreu um acidente que o deixou paralisado e vai visitá-lo. Como o piloto estava profundamente deprimido e desejando a morte, ela revela um segredo de cinco anos: um filho que tivera dele, mas as coisas não vão ser fáceis entre eles, afinal, Sarah havia abandonado Cesar sem nenhuma justificativa e ainda escondera o fato de estar grávida, afastando-o do filho.




Prisoner of the Tower

Gayle Wilson

SINOPSE:

A jovem Emma, com seus 17 anos, está se preparando para ir a Londres a fim de participar da temporada e encontrar um marido rico que possa ajudar sua família. Certa noite um desconhecido misterioso e belo se aproxima dela, lhe dá um beijo e a moça se apaixona. Doze anos depois Emma está viúva e faz uma visita ao Conde de Greyston para discutir o casamento de sua enteada. O irmão mais jovem do Conde está apaixonado pela enteada de Emma, mas o próprio Conde nunca aparece. Enquanto está hospedada na casa Emma encontra um quadro e nele reconhece o homem por quem se apaixonara aos 17 anos.



No Blog Shoujo Café há uma reportagem completa sobre romances Harlequin e Mangás Arlequin.

Hatsujou Material

Título Alternativo: Stroke Material.


Autora: Kotobuki Atsuta


Mangá.

Sinopse:



Já chamaram Kaname-kun de "sex machine" e "algo que existe apenas pela obscenidade e 

pecado". Mas, pela primeira vez, ele se apaixonou pela ultra legal e bonita Yumi-sama. 


Mesmo sendo desencorajado pelo olhar frio dela, ele tentará ganhar o seu amor, sofrendo 

com a falta de habilidade em conquistar o coração (e não o corpo) de uma garota.













Este mangá é de volume único, dividido em cinco parte. Espero que vocês gostem. Pretendo postar ocasionalmente, além dos livros e séries, mangás que me agradaram e que tenho no pc :-)

A Governanta

Fiona.

Catherine Gaskin.

SINOPSE:

1830 nas Antilhas. O açúcar e a escravidão ainda reinavam supremos, mas a ilha de San Cristobal, com o seu perfume de flores exóticas, parecia um paraíso tropical para Fiona... Para ela, o convite para trabalhar na fazenda da família Maxwell fora uma forma abençoada de escapar da vida miserável que levava na Escócia. Mas a fazenda nada tinha a ver com os sonhos de paz e de prazer que Fiona acalentava. Todos a tratavam muito bem e Duncan, o menino que ela cuidava, a adorava. Mas Fiona não conseguia livrar-se de suas premonições de um perigo iminente. Seriam pura imaginação? Ou eram cenas que lhe chegavam através da maldita "segunda visão" que a perseguia desde a morte de sua mãe? Então Fiona descobriu que até o seu romance com Fergus, o belo e enigmático enteado da dona da fazenda, era parte de um plano macabro ligado a um passado sinistro e secreto.


COMENTÁRIO:


Se não me engano este foi o primeiro livro de Catherine Gaskin que eu li e devia estar com uns 13 ou 14 anos. Eu amei cada parágrafo, cada página e, quando finalmente terminei a leitura, eu chorei. É sério. Foi o único livro até hoje que me fez chorar, e chorar com vontade. Chorei porque o livro havia acabado e chorei por Fiona, e pelo que tinha acontecido com ela. Não julguem por isso que o final é ruim, longe disso. De certa forma, parece que o final dado ao livro era o único realmente aceitável.
Bom, a história se passa nas Antilhas em 1830, com um pequeno prólogo na Escócia. Neste prólogo conhecemos Fiona, moça que herdou da mãe os cabelos vermelhos e o dom da visão. As pessoas cheias de superstições em sua terra a temem e evitam, crendo que ela pode amaldiçoá-los ao prever o futuro. Mesmo sendo rejeitada Fiona é uma mulher forte e decidida e eu a admirei desde o inicio (raro achar uma mocinha que em momento alguém se comporta de alguma forma irritante ou tola).
Desejando escapar do destino de solidão e rejeição Fiona consegue um emprego com parentes afastados, sendo governanta de uma criança nas Antilhas. O chefe da família Maxwell se agrada dela e os dois tornam-se, de certa forma, amigos. Duncan é o filho mais novo dele e a criança que Fiona deve cuidar. Além de Duncan há Fergus, o filho bastardo e mais velho, por quem ela se apaixona. Além destes já citados temos um primo da família, a linda e arrogante esposa de Maxwell, suas parentes espanholas e os criados e escravos.
A adaptação de Fiona é lenta, mas a compreensão de que aquela família guardas segredos sombrios e profundas mágoas é bem rápida. Este é um livro fantástico, com amores, ódios, mistérios e tudo o que possa fazer seu coração palpitar de emoção. É até hoje meu livro favorito desta autora.

Esta é a capa do meu exemplar. Acho ela simplesmente linda. O detalhe de retratar uma das cenas do livro a torna ainda mais fantástica. Além disso, mocinhas ruivas são tudo de bom :-)

Capa em inglês. Mesma figura, cores diferentes.

Acho a moça muito bonita, mas o cenário de fundo ficou um tanto estranho.

Creio que esta capa é das mais antigas. Não é feia, mas não é bonita como as outras.

Bela capa.

O Fabuloso Maurício...

O Fabuloso Maurício e seus Roedores Letrados

Terry Pratchett


Hoje vou comentar um de meus livros favoritos, escrito pelo meu autor favorito, Terry Pratchett, o homem que criou o fabuloso Discworld e que tornou minha vida mais cheia de cor e magia.
A primeira vez que li Pratchett não contou muito, pois ele havia escrito a quatro mãos com Neil Gaiman, mas as características básicas do texto dele estão lá, tornando o sombrio Gaiman bem mais alegre e cômico.
Visitando Porto Alegre durante uma das feiras do livro eu vi aquele livro com uma capa chamativa que me despertou o interesse. O livro em questão era o primeiro da série do Disco e se chama A Cor da Magia. Eu simplesmente não pude resistir; depois de encontrar o livro em várias bancas acabei por comprá-lo.
Na época eu estava passando por uma crise de depressão pesada e não via muita graça nas coisas. Foi nesta fase que eu sentei no chão da casa do irmão da minha melhor amiga, depois de batermos pernas o dia todo num calor de 40 graus e abri o livro enquanto esperava ela sair do banho para eu poder ter a minha vez. Naquele chão acarpetado, apoiada no sofá, eu dei uma gargalhada. A partir daí eu estava perdida! Terry Pratchett me conquistou para sempre.
Anos depois, com a estante cheia de livros dele, eu adquiri O Fabuloso Mauricio e, acreditem, foi um dos melhores. A trama é fantástica, as personagens, os diálogos, tudo funciona de forma incrível. O Fabuloso Mauricio é aquele tipo de livro que você pega e já depois de uma página não quer largar por nada.
Agora você pode estar se perguntando: Mas sobre o que trata este livro fantástico? E eu respondo: É o seguinte...

Maurício é um gato muito inteligente, manipulador, ganancioso e que fala. Aproveitando-se destes dons ele manipula um garoto tocador de flauta e um grupo de ratos, também inteligentes e falantes. O grupo sai de cidade em cidade fingindo que o lugar está sob uma infestação de ratos, para então o garoto aparecer com sua flauta, tocá-la e retirar os ratos da cidade. 
A organização dos ratos é divertidíssima e os sustos que eles pregam nos humanos para que estes chamem o flautista e seu gato é mais ainda. Outro plus são os nomes, extremamente divertidos, como o ratinho albino chamado Perigoso Feijão, a ratinha Pêssegos, o corajoso Bronzeado Intenso... (a explicação do porquê destes nomes é ótima).
A história tem lugar em uma cidadezinha que já diz ter problemas com ratos, mas algo está muito errado. A partir daqui temos muita ação e suspense, além dos diálogos cômicos e situações que provocam risadas e uma mocinha inesquecível: Malícia Grima!
Acompanhamos a investigação de Mauricio e do menino Keith, com ajuda de Malicia e também as aventuras dos ratinhos nos esgotos e porões da cidade. Junto a tudo isto ainda temos os questionamentos dos ratinhos sobre o que realmente são, se há vida após a morte, que futuro terão, além de uma crise entre os ratos mais velhos e mais jovens, uma vez que os mais velhos tem dificuldade em aceitar a nova vida com inteligencia superior e "a palavra".

O Fabuloso Mauricio se passa no mundo do Disco, ou melhor, no Discworld, lugar plano, cheio de magia, com guerreiros, criaturas míticas, um Morte hilário (vou falar sobre ele em outro post), deuses, guildas e uma Universidade Invisível onde certos ratinhos comeram o lixo.


Este é Terry Pratchett :-D


“Como disse o Fabuloso Maurício, era apenas uma história sobre pessoas e ratos. E a parte difícil era diferenciar as pessoas dos ratos.”

 
Mistério das Letras Blog Design by Ipietoon