Ligeiramente Sedutor

Slightly Tempted.


Saga Bedwyn.


Mary Balogh.


SINOPSE:



Jovem, bela, deliciosamente casadoura.
No momento mesmo em que vê lady Morgan Bedwyn do outro lado do deslumbrante salão de baile, Gervase Ashford, conde do Rosthorn, sabe que encontrou o instrumento perfeito para sua vingança. Mas o casamento não entra nos planos do libertino mais célebre do continente. Assim como tampouco é do interesse da independente lady Morgan... até que uma noite de escandalosa intimidade desemboca em um escândalo que poderia fazer ainda mais doce a vingança do Gervase.

Só existe uma coisa que se interpõe em seu caminho: Morgan, que conseguiu o impossível... ela faz com que seu frio coração se derreta. Para o Gervase, só é aceitável o matrimônio, mas Morgan não o aceitará assim fácil. Assim começa uma ardente corte em que dois receosos corações estão a ponto de abrir-se para a paixão mais escandalosa de todas: o glorioso e arrebatador amor.

COMENTÁRIO:

A mocinha Morgan Bedwyn, de dezoito anos, esta entediada com sua vida. Após decidir visitar Bruxelas na esperança de lá se divertir mais, descobre que tudo é igual a Londres: as mesmas pessoas, o mesmo tipo de festas, etc. Somente Gervase Ashford chama sua atenção e, o nosso mocinho sacana, esta na verdade tentando seduzi-la para vingar-se do irmão mais velho da moça, o Duque de Bedwyn.

Para facilitar os planos de Gervase em sujar o nome da moça, o irmão mais jovem de Morgan, Alleyne Bedwyn, que a acompanhara a Bruxelas e trabalhava no governo, desaparece no campo de batalha após levar uma mensagem a Wellington. Como consequência deste desaparecimento Morgan se recusa a partir da cidade, começando a cuidar dos feridos ao estilo E o Vento Levou. Bem, na verdade me lembrou muito A Incomparável Bárbara, de Georgette Heyer, quando a mocinha fica em Bruxelas cuidando dos feridos, preocupada com os seus.

Depois desta parte entediante de guerra, Alleyne é dado como morto e Gervase leva a moça para a Inglaterra. Wulfric Bedwyn, o Duque, vai ao encontro dela e daí a moça percebe que os dois homens se conhecem e se detestam. A parti daí vamos encontrar os mesmos clichês já usados por Mary Balogh que começam a me irritar: motivos imbecis para que o casal não se acerte e mesmo assim façam sexo até finalmente se casarem ¬¬

Sobre Gervase, ele é o tipico herói-chato-passei por coisas ruins-incompreendido-quero me vingar nos inocentes. Ele se comporta como um adolescente, ao contrário de Morgan, muito mais adulta que ele mas, na minha opinião, estereotipada como a mulher moderna, de vontade firme, justa, blá,blá,blá.

Resumo da ópera: Gervase havia sido culpado de abusar de uma amiga de infância (que era noiva de Wulfric) e de ter roubado da moça um colar de família. O pai o expulsou de casa, do país, Wulfric o humilhou em público, laralalala...daí Gervase, nobre como era, decidiu destruir a reputação da irmã mais jovem de Wulfric...nobre, não?! Uma simpatia de pessoa. E ela, achando que o irmão mais jovem havia morrido, ralou e rolou com o cara  na mesma hora "para afogar a dor"... claro. Ah, a amiga de infância tinha armado tudo isto porque não queria casar nem com Wulfric, nem com Gervase porque ela era lésbica e apaixonada pela prima de Gervase.

Eu pensei que este livro ia ser melhor que o anterior, por que cada um que segue da saga Bedwyn estava sendo melhor que o anterior. Este conseguiu acabar com a "tradição". Eu detestei este livro. Tão chato que tive de fazer força para não dormir enquanto lia (na marra só para fazer a resenha). Não recomendo, embora seja necessário para quem quer ler toda a série.




2 comentários:

Iuri Fiedoruk disse...

Pelo jeito a série de livros deveria se chamar "Levemente passável, mas na realidade muito ruim".

Arismeire Kümmer Silva disse...

Dois deles são bem bons :-)

 
Mistério das Letras Blog Design by Ipietoon