Uma Janela Sobre a Praça

Window on the Square.

Phyllis A. Whitney.


COMENTÁRIOS:



A história se passa em Nova York, no ano de 1870, durante o Outono. A protagonista, Megan Kincaid, ainda sofre pela morte da mãe e do irmão mais novo, atropelados por uma carruagem descontrolada. A moça havia assumido os trabalhos de costura de sua mãe, mas era uma costureira medíocre e não acreditava conseguir manter as clientes da mãe por muito tempo.
É neste estado de espírito que Megan recebe uma mensagem da Sra. Brandon Reid, viúva de Dwight Reid, famoso advogado e benfeitor da cidade e agora esposa do antigo cunhado, Brandon Reid. A morte de Dwight havia gerado muitas especulações na época, especialmente por ter sido causada por um tiro acidental desferido por seu filho de sete anos, Jeremy.
Ao chegar na casa dos Reid, a moça fica surpresa ao ser entrevistada por Brandon Reid ao invés de sua esposa. O homem se desculpa por tê-la convocado sob falsos pretextos, pois na verdade ele gostaria que ela cuidasse de seu sobrinho Jeremy. Como o irmão da moça era deficiente e ela sempre se dedicara a ele, ensinando-o, protegendo-o e cuidando-o, ocorrera a Brandon que ela era a pessoa indicada para cuidar de seu sobrinho.
O menino, após o acidente, estava se afastando cada vez mais da família e pessoas em geral, vivendo em meio a morbidez do passado, cada vez mais agressivo. Tocada pelo problema da criança Megan aceita o emprego e se muda para a casa da família na Washington Square, sob o pretexto de costurar para a irmã de Jeremy.
Claro que as coisas não são exatamente o que pareciam vistas de fora. Fazendo parte do dia a dia da casa, Megan percebe que o relacionamento do casal Reid é muito complexo. O homem parece dedicado e ardentemente apaixonado pela esposa, que se mostra fria e distante. A criada pessoal da Sra. Reid cuida das crianças, favorecendo abertamente a menina, Selina, e maltratando o menino sempre que possível. Passa a fazer o mesmo com Megan, perseguindo-a e afrontando-a. O único que parece simpatizar com a moça é o professor das crianças, Sr. Beach, e mesmo ele acredita que a missão de Megan é uma causa perdida.
Megan não é nenhuma mocinha assustada, o que me deixou bem satisfeita. Ela decide ajudar o menino e se esforça por isso, mesmo com as reações negativas dele, mesmo com o ódio que demonstra. De quebra também se aproxima da menina e acaba por se afeiçoar pelas duas crianças. Quando a criada peste tenta interferir, prejudicando o menino, Megan se mostra firme, afastando a mulher e assumindo por completo os cuidados em relação a ele.
Em meio a tudo isso, a moça fica se questionando o que realmente aconteceu entre Jeremy e seu pai. Por que todos parecem ter medo do menino? Por que não a querem naquela casa? por que a Sra. reid passa a maior parte do tempo trancada em seu quarto e por que o professor quer que ela parta para que algo terrível (nas palavras dele) não aconteça?
Algumas respostas vão surgindo com o tempo, assim como o amor que ela passa a sentir por Brandon Reid. Eu realmente não gosto de histórias em que um dos protagonistas é casado com outra pessoa, mas a situação é tão bem resolvida, que fica totalmente aceitável.
Eu considero este um dos melhores livros de Phyllis A. Whitney e recomendo para quem gosta de um romance cheio de suspense, mistério, com uma mocinha que não para até descobrir a verdade e que luta para proteger os seus e que não recua frente a qualquer impedimento. Além disso tudo, Brandon Reid é um protagonista de peso. A melhor definição possível para "alto, sombrio, bonito e misterioso" hehehehehe.

Capa do meu exemplar.

Eu acho esta capa muito, muito linda.

Não chega a ser feia, mas senti falta da mocinha em primeiro plano :-)

Eu gostei bastante desta capa, mas ela tem algo de muito errado: a época. Esta mocinha não está vestida de forma adequada.

1 comentários:

Jossi Slavic Genius disse...

Uau, a capa brasileira ganha de todas as outras! Esse livro me chamou muito a atenção, espero encontrá-lo em algum sebo, rs.
Bjs

 
Mistério das Letras Blog Design by Ipietoon