Não Toque no Gato

Touch not the Cat.


Mary Stewart.


RESENHA:


"Os Ashleys eram sobreviventes. Possuíam um talento extraordinário para manterem apenas as qualidades que desejavam e se adaptarem sem qualquer esforço ao lado vencedor. Através da longa história da família tinham aprendido a se curvar na direção do vento... e a permanecer em Ashley Court. Podiam também ser perigosos. Não Toque no Gato era a divisa deles. O gato tinha garras e dentes afiados.

Bryony Ashley, trabalhando no exterior, é chamada com urgência e volta para casa após quase um ano de ausência. As circunstâncias eram trágicas. O pai, Jonathan Ashley, havia morrido, atropelado numa estrada deserta da Bavária. Ashley Court, a velha mansão cercada por um fosso, jardins em ruínas e sua carga de dívidas, iria tornar-se responsabilidade do primo Emory, que nascera meia hora antes de James, gêmeo idêntico. Os gêmeos, juntamente com o irmão mais moço, Francis, certamente procurariam manter Ashley Court, que não podia ser vendida por causa de uma disposição testamentáia feita por um ancestral. Ashley Court não era mais o lar de Bryony nem problema dela. Mas...

Os Ashleys possuíam outro “dom”, que de vez em quando surgia na família. Um ancestral casara-se com uma cigana que era telepata e fora queimada em praça pública como feiticeira. Bryony herdou esse dom, 300 anos depois, e veio a descobrir que ele era uma faca de dois gumes. Ela sabia que um dos gêmeos também possuia o dom. Desde crianças os dois se comunicavam telepaticamente e o relacionamento fora evoluindo até transformar-se em amor e entrega total, em todos os sentidos, menos um: fisicamente. Bryony não tinha, porém, a menor idéia de qual dos primos era seu amor. E ele se recusava a revelar-se. Ela voltou para Ashley Court decidida a descobri-lo e também a desvendar o mistério da mensagem confusa que lhe deixara o pai agonizante. Perigo para Bryony, dissera ele, e com a mensagem viera também a advertência de que um dos primos podia estar envolvido na morte do seu pai. Poderia esse perigo ser o verdadeiro primo a quem Bryony amava? Será que o vínculo entre os dois, ao longo de muitos anos, de amizade e amor, poderia transformar-se numa ligação de medo? Se o homem a quem estava tão estreitamente ligada fosse o assassino, qual era o dever dela... e qual seria o seu destino? Mas Bryony era uma Ashley e tomou a decisão de identificar de qualquer maneira seu amor secreto, enfrentando a situação da melhor maneira possível."

Quando Bryony chega a sua antiga casa, pretendendo desvendar estas tramas (além de empacotar certas coisas que lhe pertencem, antes do herdeiro assumir a propriedade), ela consegue ajuda de seu amigo de infância, Rob Granger, uma das poucas pessoas que consegue distinguir quem é Emery e quem é James. Os dois investigam a morte do pai da moça e também quem poderia ser o primo com quem ela mantinha seu relacionamento de anos.  
DISCO LIVROS SEBO 


COMENTÁRIO:


Eu sou uma apaixonada confessa pelos livros de Mary Stewart. Ela tinha o dom de fazer diálogos interessantes e de criar personagens envolventes. Além disso, até o ato de beber água mineral era descrito com classe por ela :-)
Pois bem, este foi um dos primeiros livros de Mary Stewart que li e um dos raros que envolve algo meio que sobrenatural (a comunicação telepática entre ela e seu amado). Claro que temos o costumeiro mistério...na verdade, mais de um; nossa mocinha precisa descobrir se a morte de seu pai foi mesmo um acidente, qual de seus primos é aquele por quem está apaixonada e com quem conversa em sua mente a anos, quem está roubando coisas da casa (como pinturas e livros), se isto tem ligação com a morte de seu pai caso tenha sido um crime e, para incrementar tudo isso, uma história a parte, de um antepassado de Bryony, que acaba se mostrando mais do que relevante para a solução de boa parte das tramas.
Devo confessar que Mary Stewart caprichou no climax e nos presenteia com uma sequencia final de tirar o fôlego. Não posso esquecer também de citar o fantástico labirinto com a imitação de templo em seu centro onde o antepassado de nossa mocinha encontrava sua amante. Eu recomendo este livro totalmente.


AQUI
você encontra o e-book e mais dados sobre o livro.


Este é o meu exemplar. De uma forma estranha a capa me agradou. 

Não acho que tenha muito a ver com a história, mas é uma capa interessante.

Não entendi a desta capa. Um gato entrando em uma espécie de tunel... estranho.

Na minha opinião, a capa que mais tem a ver com a história.

2 comentários:

Jossi Borges disse...

Oi, Aris!
Li alguns livros dessa autora. Não lembro os títulos, mas só lembro de uma coisa, gostei do suspense.
Boa autora, dos tempos de Mrs. Agatha Christie. ::)

Arismeire Kümmer Silva disse...

Eu tenho todos os livros dela que foram publicados no Brasil, exceto a saga de Merlin e, além disso, dois em inglês. Ainda hei de ter todos os livros escritos por ela :-)

 
Mistério das Letras Blog Design by Ipietoon