Sorteio de Outono


Olá, pessoal.
Estou fazendo mais um sorteio no blog; o primeiro de 2013.
Os prêmios são:

- Núpcias de Fogo, de Nelson Rodrigues, usando o pseudônimo de Suzana Flag;

- Renúncia de um Amor, da Bárbara Cartland;

- Esposa sem Amor, da Bárbara Cartland;

- O Perverso Marquês, da Bárbara Cartland e parte da coleção Romances Rebeca;

- A Sombra do Pecado, da Bárbara Cartland e parte da coleção Romances Rebeca;

- Marquês Apaixonado, da Sally Mackenzie;

- DVD da série de 4 episódios da BBC, Jane Eyre, de 2006.

SINOPSES:


Núpcias de Fogo: Lúcia e Doris são irmãs. Lúcia fora criada pelo padrasto que sempre se ressentiu de ela, filha do primeiro casamento da mulher, ser tão bonita, atraente e jovial. Sua filha Doris não é tão bela. A caçula se torna invejosa e cheia de complexos, necessitando sempre do apoio da tia Clara e do pai para conseguir o que deseja. A insegurança fazia o chefe da família reprimir a enteada e se afastar da mulher, comportamento que acaba por dividir definitivamente a família. Lúcia é desmerecida por todos na casa e não tem o apoio da mãe, que se faz submissa ao marido e à cunhada, que mora com eles desde o nascimento de Doris. Doris é mimada e chata. As duas irmãs vão a um baile de uma amiga e conhecem Carlos, rapaz belíssimo que se encontra noivo de uma louca. A noiva de Carlos enlouquecera quando vira sua irmã beijar o noivo na boca. Carlos vive em função da cura da noiva. Doris e Lúcia apaixonam-se por ele. Condicionada desde pequena a deixar tudo para a irmã caçula, Lúcia não encontra outra saída a não ser repetir o padrão que aprendera na infância, mesmo sabendo ser correspondida em seu amor pelo rapaz. Doris, o pai e a tia Clara fazem de tudo para conquistar Carlos e arranjam um noivo para Lúcia. Jorge, um médico vizinho, amigo da família, era apaixonado por ela e, assim, Lúcia começa a namorá-lo. Doris submete-se a grandes humilhações pelo objeto de seu desejo e acaba sendo, de vez, preterida. A noiva de Carlos falece e ele, finalmente, decide casar-se com Lúcia. É quando Doris, então, enlouquece.

Renúncia de um AmorEnquanto seguia Beryl pela nave da igreja, segurando a cauda do vestido de noiva da prima, Torilla tinha a impressão de que ia morrer. No altar, Gallen esperava, mais bonito do que nunca. Torilla sentia uma vontade louca de correr para ele e dizer que estava disposta a fugir para bem longe dali, até o fim do mundo...se ele ainda a quisesse. Mas ela não era capaz de ser feliz causando a desgraça da prima. Por isso, continuou andanda atrás daquela que seria a esposa do homem que adorava. Ia como uma sonâmbula, rezando para que algum milagre acontecesse...

Esposa sem Amor: Ao retornar de uma viagem à África, o Lorde de Vernham foi surpreendido com a notícia de que havia se tornado herdeiro da propriedade da família. Decadente, o lugar não tinha o menor valor, e Lorde Vernham sabia não ter posses para reformá-la. A solução veio na figura de seu vizinho, o arrogante Theobold Muir: ele o ajudaria, com uma condição: que o lorde se casasse com sua única filha.
O Lorde Vernham não tinha a menor intenção de se casar, mas não viu outra saída a não ser aceitar aquela infame proposta. Esse casamento tinha tudo para dar errado, pois um não desejava o outro. Bem, pelo menos... até que se conhecessem melhor!

O Perverso Marquês: Ofélia Stanyon descobre, subitamente, a paixão que alimentava por aquele homem volúvel e de difícil relacionamento. No entanto, os turbulentos acontecimentos mudariam por completo a personalidade do perverso marquês.

A Sombra do Pecado: "Celeste pensava odiar aquele homem arrogante, mas era incapaz de resistir a magia dos seus lábios." O Conde de Meltham jurara jamais se apaixonar, e assim foi até conhecer Celeste. O amor foi tão forte, que se sacrificaram um pelo outro ao longo de uma vida romântica de grande beleza.

Marquês Apaixonado: Inglaterra, 1815. Como dizer "eu te amo?" Ao fazer o pedido de casamento Charles Draysmith foi tão romântico quanto um juiz dando uma sentença. Tudo bem que Emma Peterson é apenas a filha do vigário, e ele o novo marquês de Knightsdale, e talvez prefira se casar com ela do que enfrentar a horda de moças solteiras e suas mães casamenteiras... Mas quando ele sugere que está tão somente interessado no ato de "encomendar" um herdeiro... Ah, isso já é demais para uma dama de verdade... Deve haver algo de estranho com uma mulher que atira um bibelô em um homem que demonstra seus interesses. Talvez o modo como Charles fez o pedido não tenha sido dos mais românticos, mas parecia a solução perfeita. Ele conseguiria uma esposa, Emma conquistaria uma posição na sociedade... Tudo muito simples e prático. Só que as coisas não tão simples como parecem... pois para convencer Emma a se casar, Charles terá de fazer algo muito difícil: confessar que está perdidamente apaixonado...

Para Participar Siga os Seguintes Passos:

1) Seguir o blog Mistério das Letras.
2) Deixar um comentário com nome e e-mail neste post, dizendo que está participando.
3) Preencher as opções no Rafflecopter.

O sorteio começa dia 27 de Fevereiro e termina dia 27 de Março. Boa sorte.








a Rafflecopter giveaway

Direitos Iguais, Rituais Iguais

Terry Pratchett

SINOPSE:


À procura do oitavo filho de um oitavo filho para sucedê-lo, o mago Drum Billet encontra, momentos antes de morrer, um recém-nascido na casa de um aldeão. A sina parece estar certa - só que o bebê é uma menina. Assim a garota Esk começa sua complicada aventura de juntar a magia da natureza - a força da Terra que mulheres trazem em si - com as forças cósmicas que os grandes magos invocam... Para ajudá-la, entra em cena a Vovó Cera do Tempo, uma bruxa cheia de feitiços e de poderes "animais", que tenta driblar os preconceitos e levar a menina à Universidade Invisível - onde, por tradição, só estudam rapazes.



COMENTÁRIOS:


Direitos Iguais, Rituais Iguais é o terceiro romance do Discworld, mas você pode ler este sem ter lido os anteriores.
A beira da morte o mago Drum Billet precisa encontrar alguém para passar seu cajado e poderes, sendo necessário encontrar um oitavo filho de um oitavo filho, mas, ao achar a criança que acabara de nascer, se depara com uma menina. Sem tempo para continuar sua busca ele entrega seu legado a menina; acontece que apenas homens podem ser magos e mulheres são sempre bruxas.Está feita a confusão.
A menina Eskarina cresce e é tomada sob a guarda de Vovó Cera do Tempo, a bruxa da aldeia local. Vovó treina Esk para ser bruxa, mas percebe na menina o poder da magia e decide levá-la até a Universidade Invisível, para que Esk se torne uma das alunas.
Esk é uma personagem infantil rara (ela tem 8 anos nesta história), do tipo que não irrita nem incomoda, muito pelo contrário. A menina é inteligente e ponderada; decidida e esperta. Junto a Vovó Cera do Tempo rende ótimos momentos durante a viagem que empreendem até Ankh-Morpork.
Ao chegarem na Universidade Invisível Esk precisa provar aos condescendentes magos que ela tem inteligencia e capacidade de ser uma maga (como magos são homens e mulheres são bruxas há um grande preconceito em relação ao assunto). Esk consegue provar a todos que estão errados através da esperteza, amizade e força bruta. 
O enredo do livro é bem simples: a introdução sobre o nascimento de Esk e seus ensinamentos como bruxa, a viagem para a cidade grande e o encerramento na Universidade Invisível, após uma ameaça ao mundo provocada pelo paradoxo de uma maga.
Eu sou suspeita para fazer criticas aos livros do Terry Pratchett. Não sou grande fã das histórias com as bruxas do Disco, mas este livro é muito divertido e, mesmo quando não são excelentes, eles são bons. Se você quer diálogos ótimos, um senso de humor fino e ácido e uma história inteligente, caia de cabeça.

AQUI!!!!

Esta é a capa do meu exemplar. 
Eu realmente amo a arte destas capas, pois são únicas.
Muito divertida esta série de capas.
Não gostei muito desta capa.
Sobre esta capa, só posso dizer que apesar de legal, 
ela transmite uma ideia errada sobre o tipo de livro que é a série do Disco.

Minhas estantes

Só para ilustrar minha coleção de livros/mangás/quadrinhos impressos :-)
Meus amorzinhos, hehehehehehehe.
As filas são duplas e tem livros e revistas deitados, de pé, de lado... como consegui guardar :-)







American Horror Story II

American Horror Story: Asylum - Segunda Temporada



A segunda temporada de AHS tem a maior parte de sua ação em 1964, mas transita pelo tempo e espaço e começa nos dias de hoje, com um casal invadindo um prédio antigo e abandonado, que já havia sido um hospício chamado Briarcliff. O casal em lua de mel está visitando os lugares mais assombrados do país e Briarcliff está na lista. Daí é um pulo para termos um marido sem braço, agonizando, uma esposa histérica fugindo por corredores escuros e imundos e um assassino assustador e bizarro, que parece ter um rosto todo deformado mas que na verdade usa uma máscara feita de pele, cabelo e dentes humanos... chocante. Depois disso um pulo para 1964 e a história realmente começa.
Freiras alcoólicas, possessão demoníaca, amputações, dementes,médicos nazistas, alienígenas e anjos da morte – Não houve limites para a série nesta temporada.
Os personagens são vários e todos tem destaque; temos a jornalista Lana (gay na década de 60 não era saudável), Kit (casamento inter racial na década de 60 também não era seguro), a irmã Mary Eunice (a pessoa mais inocente do universo), a irmã Jude (mulher forte e  presa num abismo de culpa), Arden (James Cromwell), médico e nazista que era chegado numa experiência bizarra (muitas delas vivendo na floresta que cercava o asilo), monsenhor Timothy (Joseph Fiennes - o fraco, safado e egoísta) e por aí a fora.
Enquanto na primeira temporada a série se concentrou nos conflitos da família e nos fantasmas que viviam em sua casa, nesta segunda temporada temos um leque mais amplos de bizarrices: nada de fantasmas, mas havia monstros parecidos com o "bebê" da primeira temporada, todos eles resultados de experiências feitas pelo fdp chamado Arden, que era o médico responsável por Briarcliff, instituto dirigido pela mão firme da irmã Jude (mais uma vez Jéssica Lange se mostrando soberba). Tivemos também aliens, o anjo da morte, um demônio... tudo isso e o pior monstro foi a ambição humana e também a maldade humana. Ainda acho que Arden era muito pior quu o doutor Tredhson, um carinha simpático interpretado por zachary Quinto e que gostava de esfolar mulheres usando uma máscara feita de pele humana (aka Bloodface).
A trama principal é sobre a chegada de Kit em Briarcliff acusado de ser o psicopata Bloodface e a jornalista Lana tentando conseguir uma entrevista com ele e sendo barrada pela irmã Jude. Lana se aventura em Briarcliff por uma passagem secreta e acaba presa como paciente do lugar. Enquanto isso o doutor Arden faz experiências com pacientes criando mutantes canibais assustadores que moram na floresta e são alimentados por ele com corpos de outros pacientes. Entre estes dois transitam alguns personagens, como a irmã Mary Eunice, que sabe das criaturas e sem compreender exatamente o que são, cuida delas e teme por elas. Ah, não vamos esquecer que antes de ser preso Kit foi abduzido por aliens... é... aliens.
Os segredos são muitos; alguns dão calafrios e a trama é extremamente inteligente e bem amarrada. Não recebemos tudo mastigadinho, é claro (esta não é a intenção de AHS), mas é muito mais profunda que a temporada anterior e fiquei pasma com a capacidade de Jéssica Lange, Evan Peters, Lili Rabe e Sarah Paulson de fazerem personagens tão diferentes do que haviam feito anteriormente que, simplesmente se tornaram outras pessoas e não pude compará-los, já que eram seres absolutamente distintos.
Esta temporada não se apoiou no sobrenatural para desenvolver a trama principal e sim na maldade humana, muito bem representada por Arden e Bloodface. Sem esquecer, algumas vezes voltamos a época atual para mostrar o que anda acontecendo com o casal em Briarcliff e Bloodface (e nos perguntamos COMO Bloodface pode estar em 2012 matando bem feliz se ele já era homem feito em 1964). O encerramento da série também se dá em 2012 e tudo funciona bem e a bandida da Jéssica Lange me fez chorar ;-p


Sister Jude, absoluta.

Lana, a sofredora.

Kit, a vítima.

Arden, o monstro maior.

Tredhson, o terror.

Sister Mary Eunice, a tragédia.

Monsenhor Thimoty, o traidor.


American Horror Story I

American Horror Story - Primeira Temporada




Na primeira temporada de AHS somos apresentados a família Harmon, que é formada por Ben, Vivien e a filha Violet. Eles mudaram para Los Angeles após um aborto sofrido por Vivien e um caso extra-conjugal de Ben. A família vai morar em uma casa enorme e antiga, bem localizada e cheia de segredos, os quais eles se quer imaginam.
Enquanto Vivian restaura algumas partes da casa, Ben atende seus pacientes no escritório, Violet vai a escola e eles tentam se ajustar... sem muito sucesso. O primeiro paciente de Ben é Tate, um dos filhos de sua vizinha, Constance. O rapaz e Violet se tornam amigos e logo em seguida namorados, apesar de Tate ser um rapaz muito, muito estranho e cheio de problemas; alias, Tate é um personagem bem interessante. É o único filho de Constance sem algum problema aparente (a menina tem Down e o outro rapaz nasceu com uma grande deformidade), na realidade ele parece um anjo, só que é a encarnação do mal. 
A família acaba descobrindo que desde que a casa foi construída já ocorreram mais de 20 mortes violentas no local (a casa é conhecida como The Murder House). É interessante que cada episódio tem um prólogo no passado, quando ocorreu alguma morte na casa maldita. O mais terrível é que quem morre naquele terreno não pode mais sair de lá, exceto no Halloween. Os coitados (ou não) estão presos para sempre a casa, tendo de "conviver" pela eternidade. 
A trama principal gira em torno da gravidez de Vivian, que tem relações com o marido e com "alguém" vestido num traje sado-masoquista de borracha todo preto (achando que é o marido), o romance de Violet e Tate, a presença assídua de Constance (que parece envolvida em muitos dos segredos daquele lugar) e Ben, jamais acreditando que há algo de errado na casa (eu odiava o Ben. O cara era um imbecil total) e babando pela empregada sedutora e assanhada, Moira.
Apesar de os  Harmon serem os protagonistas, Tate e Constance roubaram a cena e se tornarem os principais personagens da série, apenas pelo fato de serem interessantes. Jessica Lange e Evan Peters transformaram estas ótimas personagens em elementos essenciais para o desenvolvimento da trama e dos demais personagens. Constance era fria e calculista em sua marcha para alcançar seus objetivos e Tate era hora frágil, inseguro, apaixonado e sensível, hora violento, impiedoso e maldoso ao extremo. Ah, não posso esquecer a empregada Moira, vista pelos olhos dos homens como uma bela e tentadora jovem ruiva e pelas mulheres como uma senhora respeitável e recatada, assim como não posso esquecer da atuação soberba de Zachari Quinto como um gay amargo e cínico chamado Chad, que teve uma morte terrível e ficou condenado a passar a existência ao lado de quem ama e não o quer mais.
American Horror Story é cheia de clichês, mas eles foram costurados de tal forma que, após um inicio confuso, prendeu minha atenção de tal maneira que fiquei fascinada. É muito difícil encontrar produtos que mostrem um terror mais perturbador do que cheio de sustos fáceis. AHS é isso: pura perturbação e, depois que você termina de assistir o episódio ele fica lá, na sua mente, te assombrando por um bom tempo.
Mais uma coisa interessante sobre AHS é que cada temporada tem inicio, meio e fim, concluindo a história, deixando algumas questões sem resposta, mas atando a maioria dos nós. Tenho que dar os parabéns para a coragem de mostrar temas envolvendo amor, morte, aborto, maternidade, traição e, crianças (elas me matam de susto em filmes e séries de terror - horror) sem amenizar os golpes (algumas das mortes doeram até em mim).
Se você é uma pessoa que gosta de um roteiro que te dá os elementos sem entregar tudo mastigadinho e que, exatamente por isso, te faz pensar, AHS é uma série recomendada. Sem esquecer que a série não se prende a censuras e algumas cenas são bem fortes (sejam de violência, sejam de sexo).


Ben, o traidor e cretino.

Vivien, que entrou de gaiata.

Violet, rebelde sem causa.

Tate. Adorável?!

Constance, a estrela.

Young Moira.

Old Moira.



O Fantasma de Amsterdãn

Karen Van Der Zee

SINOPSE:

Andrea parou em frente ao apartamento, no sótão de um edifício antigo de Amsterdá. Já ia abrir a porta quando percebeu que ela estava aberta. Um frio percorreu sua espinha. Quem poderia ser? Sylvia, a amiga com quem dividia o quarto, tinha viajado. Quem teria conseguido a chave? Entrou e não viu ninguém, mas de repente um homem altivo e moreno apareceu por trás dela. Foi a primeira vez que viu Lex Vermeer. A partir daquele momento, ele se tornou uma figura sempre presente. Ia embora no inverno e reaparecia quando chegava o verão. Fazia amor com Andrea, mas jamais prometia nada. Que segredo se esconderia, por trás dos olhos negros e sombrios daquele estranho?




Mágoa Secreta

Karen Van Der Zee

SINOPSE:

"Não se apaixone por mim", Faye implo­rou a Kai Eilington, o homem a quem mais amava no mundo. Sabia que não podia construir um relacionamento sólido com ele. O médico fora claro: ela nunca engravidaria. E tudo que Kai desejava era ter um monte de filhos! Vivia falando disso: da fazenda do Texas, onde moraria com sua mulher e as crianças; de como as ensinaria montar a ca­valo; com quem elas se pareceriam. Faye sentia que esse mundo estava fora de seu al­cance. Mas não tinha coragem de dizer a Kai. Assim, os dias iam se passando, as se­manas, os meses... Já era verão nos Estados Unidos. O sol iluminava as ruas e, de repen­te, Faye sentiu um brilho de esperança ilumi­nar também a sua vida.


AQUI!!!!


Emoções Traiçoeiras

Karen Van Der Zee

SINOPSE:

Linden observava o homem alto à sua frente, os belos olhos azuis transbordando de desejo. Logo estavam nos braços um do outro. Ela conhecia o toque de Mike, aquele cheiro, aquele corpo... Linden entregou-se à emoção daquele reencontro, o beijo salgado por lágrimas de saudade e dúvidas. De repente, a imagem de Justin, o atraente escritor, veio-lhe à mente: a doçura de sua boca, a delícia de suas carícias... Céus! Poderia estar amando dois homens ao mesmo tempo? 


AQUI!!!!


Duas Vezes Apaixonada

Karen Van Der Zee

SINOPSE:

Laura Tierney estava no aeroporto de Tóquio, esperando o avião que a levaria de volta aos Estados Unidos. De repente, sentiu-se zonza, flutuando, girando... Lembrava-se de seu amor e murmurava o nome de Clark Butler, que há poucos dias lhe dissera, rindo: “Acho que já nos conhecemos em outra vida”. Laura precisava descobrir o que havia acontecido na outra encarnação!


AQUI!!!!


Ganhei 2

Garota Apaixonada em Apuros.

Carolina Estrella.

Mais um prêmio legal que ganhei num sorteio de blogs. Achei que nunca ia voltar a ter sorte em sorteios, mas até agora rendeu alguns prêmios bem legais :-D
O livro também veio com uma dedicatória muito fofa da autora e marcadores de livro promocionais. Gostei muito.






O Escândalo de Ontem a Noite

Irmãos Carsington Livro 5

O Escândalo de Ontem a Noite - Last Night`s Scandal

Loretta Chase

SINOPSE:

Depois de sobreviver aos perigos do Egito, Peregrine Dalmay, Conde de Lisle, voltou a Londres para enfrentar a maior ameaça de todas: sua família irracional... e Miss Olivia Wingate-Carsington. Descendente de vigaristas famosos, mas aristocráticaa linda ruiva tem a capacidade de bolar os mais loucos e escandalosos planos. Olivia pode ser uma das queridinhas da sociedade, mas está ciente de que um futuro respeitável paira ameaçadoramente sobre ela, e assim, quando Lisle é forçado a continuar a missão da família, ela vê isso como a oportunidade perfeita para viver uma última aventura... mesmo ele sendo o único homem no mundo que ela não consegue controlar à vontade. 


COMENTÁRIOS:


Neste livro temos a história de Olivia (filha de Batsheba Wingate) e Peregrine (sobrinho de Benedict Carsington), já presentes no livro 3 dos irmãos Carsingtons (o pior até agora... ou pelo menos parelho com o livro 4 dos irmãos Carsington).
Olivia não mudou muito; continua tendo uma língua afiada e personalidade incontrolável, mas agora os homens se batem em duelo por sua causa e ela é extremamente rica graças a herança deixada por seu avô paterno. Para completar seu padrasto é herdeiro do Conde de Hargate. Graças a isso suas "excentricidades" são toleradas.
Peregrine Dalmay tornou-se um egiptólogo bem conceituado, mas mesmo distante sempre manteve correspondência com sua amiga Olivia e continua considerando-a muito impulsiva e irresponsável.
A história começa com o retorno dele a Inglaterra para estar presente ao aniversário da matriarca Carsington. De cara Peregrine fica chocado ao ver que Olivia se transformou em uma mulher lindíssima. O mesmo acontece com Olivia, vendo-se diante de um belo e atraente homem.
Não demora para os dois se meterem em uma aventura, viajando para a Escócia a fim de tornar o castelo da família num lugar habitável. Claro que ambos vão discutir o tempo todo, negando a si mesmos que se sentem atraídos.
A dinâmica entre os dois continua como no livro em que foram apresentados: ela aprontando e arrastando-o para seus problemas e ele, apesar de sensato, seguindo ela nas confusões.A diferença é que neste livro ambos são jovens, mas não são mais apenas duas crianças chatas e assustadoras.
É interessante acompanhar a mudança de sentimentos do casal. Ambos sabem que sempre serão melhores amigos do que melhores amantes, mas, depois de muito resistirem, mergulham de cabeça na ideia do casamento, sabendo exatamente o que os aguarda no futuro.
Olivia é uma protagonista mimada e imperfeita, mas não é imbecil e Peregrine é um mocinho que sabe recuar e dar espaço para a mulher sem tentar bancar o macho alfa a cada instante. Estas características tornam o livro um passatempo bem agradável e, arrisco dizer, o melhor da série dos irmãos Carsington.

AQUI!!!!

Não encontrei esta capa em português,
mas ela é nos moldes das capas usadas nesta série.
Achei bonitinha.

Capinha sem nada de especial. 
Nem bonita, nem feia.

Toda uma Dama

Irmãos Carsington Livro 4

Toda uma Dama - Not Quite A Lady


Loretta Chase


SINOPSE:

Darius Carsington é um patife espetacularmente atraente, de inteligência inaudita e sem pudores nem coração, um homem que reparte seu tempo entre deitar-se com mulheres de moral baixa e escrever artigos acadêmicos. As "perfeitas damas" da sociedade lhe parecem mortalmente aborrecidas. Mas intui algo enigmático, e não muito "perfeito", na irrepreensível lady Charlotte Hayward. Darius acredita que embaixo dessa superfície lisa e polida há mistérios por descobrir. Um desafio irresistível. Um objetivo difícil, Lady Charlotte é tão bela, encantadora e gentil que ninguém se deu conta de sua assombrosa habilidade para não casar-se. Há muito tempo, desde muito jovem, aprendeu uma lição dolorosa sobre confiança... e tentação. Após isso, dedicou sua vida a ser tudo o que deveria: e não tem a mínima intenção de deixar que um homem como Carsington a impulsione a fazer tudo o que não deveria. Um encontro inesperado e as leis da atração podem superar com facilidade as da moral e os bons costumes,e às vezes inclusive a moça mais contida deve seguir seus instintos, embora isso signifique arriscar tudo.  

COMENTÁRIOS:

Darius Carsington é um homem estudioso, inteligente e bonito, que poderia ter sido interessante como mocinho, se não fosse uma releitura da maior parte dos protagonistas dos romances de época, especialmente os de Loretta Chase. O cara não é apenas bonito, inteligente, etc... ele tinha que ser um tarado em potencial que adora prostitutas.
Cansado de mais um filho inútil o pai dos Carsington exige que Darius transforme a propriedade da família em algo rentável dentro de um ano, senão terá de se casar e sossegar. 
O vizinho de Darius tem uma filha chamada Charlotte. A moça no passado fora seduzida com um conquistador que acabara por morrer em um duelo. A tal moça acabou tendo um filho, segredo este mantido por ela, sua madrasta e uma empregada. Nem o pai da moça sabia que tinha um neto. Como resultado de toda esta situação, Charlotte havia decidido nunca se casar, a fim de não revelar sua vergonha a ninguém e não continuar prejudicando aqueles que a amam. Só que ela não estava prejudicando ninguém... não mesmo. A mocinha achava que tinha que se penitenciar por toda a vida apenas por fazer a madrasta mentir ao marido...ohhh, terrível crime! Na verdade a mulher nem estava mentindo, estava omitindo. Drama! Mais uma protagonista sofredora. Estou cansada destas. 
A maior parte do livro mostra Charlotte se penitenciando por seu erro do passado, afirmando não ser digna de receber amor, bla, bla, bla... e mesmo com toda esta lenga-lenga ela dava liberdades ao protagonista num piscar de olhos, cometendo o mesmo erro do passado repetidas vezes.
Já sobre Darius, temos também o mesmo clichê: ele não acredita no amor. Detalhe: ele não acredita no amor mas todos os seus irmãos são casados e felizes com as esposas. Posso dizer que Darius não é um protagonista muito esperto, apesar de ser um "estudioso".
Para quem leu até aqui já deve estar claro que não gostei deste livro... não gostei do anterior também e tenho minhas dúvidas sobre o segundo. Certo... só o primeiro foi um pouco mais interessante. Não é uma série que eu vá sugerir para alguém, exceto para aquelas que amam profundamente Loretta Chase ou livros de época com mocinhas sofredoras e mocinhos estúpidos.

AQUI!!!!

Nada de Especial nesta capa, realmente.

Linda esta capa. Muito linda mesmo.

Camafeu ;-)

Losing It



Cora Carmack

SINOPSE:

Bliss Edwards está prestes a se formar na faculdade e ainda é virgem. Incomodada por ser a única virgem entre seus amigos, ela decide que a melhor maneira de lidar com o problema é perdê-lo o mais rápido possível num caso de uma noite. Mas seu plano acaba por dar errado quando ela enlouquece e deixa um cara lindo, sozinho e nu em sua cama com uma desculpa de que ninguém com metade de um cérebro acreditaria. E, como se isso não fosse bastante embaraçoso, quando ela chega para sua primeira aula do ultimo semestre da faculdade, ela descobre que o cara que deixou nu em sua cama é seu novo professor de teatro. 

COMENTÁRIOS:

A protagonista desta história chama-se Bliss, ela é formanda do curso de teatro, tem 22 anos e é virgem. Ao contar para sua amiga Kelsey (a piranha do pedaço) que nunca participou de um rala e rola com um cara, Kelsey decide levá-la a um bar vestida de piriguete a fim de pegar um cara e "resolver o problema".
Deixando-se levar (literalmente), Bliss não consegue encontrar nenhum homem com quem possa passar a noite, exceto o garçom bonitinho, mas, como não queria ficar até altas horas esperando ele sair do trabalho, desiste e decide se esconder no banheiro para que Kelsey arrume alguém e vá embora sem ela. 
No caminho para o banheiro Bliss tem a atenção atraída por um homem absolutamente gostoso que está, pasmem, lendo Shakespeare. A moça puxa conversa e ele responde, só para ela descobrir que ele é britânico, divertido e adorável... além de absolutamente gostoso.
O nome do tesouro em questão é Garrick e ele estava lendo Shakespeare no bar porque esperava que um chaveiro abrisse a porta de seu apartamento, já que conseguira se trancar do lado de fora. 
A moça propõe irem ao apartamento dele e esperarem juntos pelo chaveiro. Acontece que Garrick usa uma moto e Bliss nunca andou em uma. De saída ela queima a perna no escapamento da moto e descobre que os dois são vizinhos (prédios vizinho no mesmo condomínio). O chaveiro não vai aparecer antes de uma hora, o que resulta na ida dos dois ao apartamento dela.
Garrick é uma graça e muito gentil. Ele trata a queimadura na perna dela e, num piscar de olhos, os dois estão no maior amasso. Eu não gosto de longas sequências de sexo, algumas exageradamente nuas e cruas (até mesmo grosseiras); na verdade acho a maior parte delas bem chatinhas (depois de um tempo todas ficam meio parecidas), mas dou a mão a palmatória a Cora Carmack. Eu realmente gostei das cenas dos dois juntos, desde o momento que se encontraram no bar e começaram a flertar, trocando algumas carícias, até as cenas quentes no apartamento de Bliss. Ficou original, belo e bem interessante :-)
Resumindo, quando ele está nu e ela praticamente, Bliss simplesmente surta, alegando que precisa buscar a gata no veterinário (é madrugada), sai se vestindo e FOGE do próprio apartamento, deixando ele lá, sozinho e sem entender nada. Esta parte foi engraçada, principalmente porque ela ficou escondida perto do prédio, esperando Garrick sair, sendo que ela estava de saia, sutiã e mais nada.
Na manhã seguinte a protagonista tem uma surpresa chocante: o professor substituto é o cara que ela deixou nu em sua cama durante aquela madrugada. Ambos ficam totalmente constrangidos com a situação mas, após uma breve conversa, decidem passar por cima do que aconteceu... só que eles simplesmente se encontram acidentalmente o tempo todo, fora de aula e Garrick não está muito decidido a abrir mão de se envolver com Bliss.
Eu gostei do comportamento dele. Garrick viu Bliss, se sentiu atraído, depois conheceu, ficou mais interessado e decidiu que queria ficar com ela, sendo ou não seu professor. Simples assim. Bliss é que me irritou numa looonga lenga-lenga. Ela queria ficar com ele, mas podia ficar com o melhor amigo, Cade, que se declarou; ela queria ficar com Garrick, mas então fugia, rejeitava, blá,blá,blá.
A história é contada do ponto de vista de Bliss, exceto o epílogo, que é do ponto de vista de Garrick e daí descobrimos o quanto ele é apaixonado por ela. Eu diria que ele se apaixonou a primeira vista, tadinho.
Pois bem, há momentos engraçados que trouxeram um sorriso ao meu rosto, as cenas de sexo são muito bem escritas, Garrick é um personagem que encanta, mas certas coisas me incomodaram. Não entendi o porquê de uma protagonista tão controladora e certinha se preocupar se ainda é ou não virgem aos 22 anos e simplesmente sair caçando qualquer um para mudar esta situação. Depois tem os porres homéricos que ela toma e a cena em que beija todos os amigos num jogo da verdade, além de deixar o melhor amigo (perdidamente apaixonado por ela há anos) com esperanças de que algum dia poderiam ficar juntos. Tudo isso me pareceu forçado. Outra coisa que me incomodou foi a falta de história além de Bliss fugindo de Garrick e correndo para Garrick, tomando porres, torturando o melhor amigo... a história não se aprofunda; ela é bem superficial, tanto que chega ao fim e não sabemos praticamente nada sobre os personagens, mesmo os protagonistas. Apesar disso é um livrinho divertido (as melhores partes são as de Bliss e da gata Hamlet e de Bliss dando uns amassos no Garrick). É uma boa dica para quem quer algo leve e nada complexo.
Uma coisa que preciso dizer é que achei a capa linda e foi por conta dela que decidi ler esta história. O problema é que assim que Garrick falou:

“What’s your name, love?”  (Qual o seu nome, amor?)

Eu deixei de enxergar o cara da capa e passei a ver o Joseph Morgan (Klaus - The Vampire Diaries) como Garrick. Ele fala "love" no fim das frases quando conversa com Bliss e o Klaus faz isso o tempo todo ;-p

O segundo volume se chama Faking It e conta a história de Cade, o melhor amigo de Bliss.


Joseph Morgan.


Perfeito

Irmãos Carsington Livro 3

Perfeito - Lord Perfect


Loretta Chase


SINOPSE:



Salão Egípcio, Piccadilly, Londres - Setembro de 1821.
O cavalheiro estava de costas, apoiado no marco da janela, oferecendo à concorrência uma magnífica imagem de sua alta, proporcionada e caríssima figura. Parecia ter os braços cruzados adiante do peito e a vista cravada na rua, embora o grosso cristal da janela só lhe oferecesse uma imagem imprecisa de Piccadilly.
Em qualquer caso, ficava patente que a exposição que se exibia no interior e mostrava as maravilhas que Giovanni Belzoni tinha descoberto no Egito não tinha conseguido captar seu interesse. A mulher que o observava dissimuladamente decidiu que era a viva estampa do aristocrata indolente. Muito seguro de si mesmo. Perfeitamente composto. Imaculadamente vestido. Alto. Moreno. Nesse instante voltou à cabeça, lhe apresentando desse modo o esperado perfil patrício.
Mas não era o que ela esperava.
E a deixou sem fôlego.

COMENTÁRIOS:

Benedict é o mais velho dos irmãos Carsington e é um exemplo de perfeição. Tanto sua aparência como seus atos são irretocáveis... pelo menos até que seu sobrinho de 13 anos, Peregrine, tem uma discussão com a jovem Olivia Wingate no salão egípcio em Picadilly. Olivia é a filha de 12 anos de Batsheba Wingate, famosa por pertencer ao pior ramo da família (famosos por suas trapaças e roubos). Obviamente Benedict se interessa por ela de imediato.
Peregrine, interessado por arte, pede ao tio que lhe consiga um professor de arte e Benedict vai a procura de Batsheba, dona de um talento obvio. Tudo poderia acabar por aí, já que o menino ia sozinho as aulas, mas acontece que ele e Olivia se tornam amigo e fogem juntos, obrigando o casal a partir numa longa viagem atrás deles.
Benedict é um personagem que cativa, especialmente por ser tão humano e sensível, ficando encantado com tudo o que experimenta em companhia de Batsheba, descobrindo-se vivendo pela primeira vez. Como herdeiro do título, Benedict sempre foi proibido de ter a liberdade que seus irmãos sempre tiveram e, ao experimentar o livre arbítrio, ele se encanta e encanta quem lê. Já Batsheba, que a primeira vista parece uma mulher decidida, inteligente e corajosa, aos poucos vai se mostrando fria, tola, preconceituosa... acusa Benedict de querê-la para sua amante e, quando descobre que não se trata disso, se zanga por ele não achar que ela é boa o suficiente para ser sua amante. Dá para entender esta mulher?!
Bathsheba passa a história toda alegando que só quer uma vida melhor para sua filha, mas quando Benedict a pede em casamento e ela pode dar uma vida ótima para sua filha, ela prefere fugir para outro país e continuar na miséria; ela prefere manter a filha na mesma situação de pobreza a casar com um homem rico ou deixar que o avô de Olivia a crie e dê tudo do bom e do melhor para a menina. Além deste orgulho, que vem acima do amor que deveria sentir pela filha, ela passa falando de Olivia como se a menina fosse o anticristo. Isto realmente me incomodou. Ficou bem obvio para mim que Batsheba não amava a filha, muito pelo contrário. Para completar a protagonista gosta de se colocar no papel de sofredora, além de ter um orgulho impossível, ganhando o título de chata mor. Ela é uma das piores protagonistas que já tive o desprazer de conhecer e o livro, apesar de Benedict, é muito chato. Como me interessei por ler a série, tive que superar minha indignação e aversão e ir até o fim (e sim, eu comemorei quando isto aconteceu). Lord Perfect só é recomendado para quem gosta de ler séries completas, senão, não recomendo mesmo. Não gosto de livros que me deixam irritada, ao invés de me entreter.
PS: Sério que alguém vai ir direto para a cama fazer sexo enlouquecidamente enquanto a sua amada filha - amado sobrinho, está desaparecida (o) por aí, certamente correndo risco de vida?! Por favor!!!!

AQUI!!!!

Gostei desta capa. 
Sai do lugar comum, sempre mostrando casais :-)

Capa padrão, mais uma vez, só que o que chama mais a atenção é o tom de vermelho.

Capa camafeu número 3.

Fotinho básica.
Poderia ter ficado bonita, mas... não gostei.

Capinha de romance de banca.

 
Mistério das Letras Blog Design by Ipietoon